Arquivo do Autor

Museu, espaço de memória

Monique Cardoso

Lembra do escândalo da LBA? Quem é Edemar Cid Ferreira? Quem desviava $ das iobras do Tribunal Regional do Trabalho, em São Paulo? Em que peça do vestuário um certo deputado escondia dólares?

O Museu da Corrupção, espaço virtual criado pelo jornal paulista Diário do Comércio criou, serve para nos lembrar das safadezas que não podemos jamais esquecer. Ano que vem tem eleição.

http://www.dcomercio.com.br/muco/home.htm

Anúncios

29 - setembro - 2009 at 22:17 Deixe um comentário

Onde estão?

Monique Cardoso

Está no ar há pouco tempo o blog Fotos e Reencontros, com material produzido pelos fotógrafos Wilton Jr., da Agência estado, e do bamba Severino Silva, que tem feito silencioso mas importante trabalho com moradores de rua no Rio. Como me conta o também fotógrafo e documentarista Guillermo Planel, poucos conheciam até o momento o quanto importante é isso para Severino. Inúmeras vezes ele já levou remédios, alimentos e colheu valiosas fotografias que ele retrata dessa população nômade de nossa cidade, com o objetivo primeiro de levar algum alento, de ouvir, de se aproximar dessa gente sofrida.

A função deste blog é colocar as fotos que Severino Silva realiza nas ruas para que, de alguma forma, algum parente ou conhecido localize as pessoas retratadas .Com um pouco de sorte e bastante divulgação, talvez possa acontecer algum reconhecimento positivo. São os mais variados os motivos que levam uma pessoa a viver nas ruas. Há tempos atrás, ainda estudante de jornalismo, fiz, com Andressa Camargo, uma matéria com pessoas que viviam nos abrigos municipais para homens. Muitos haviam se afastado da família por brigas, ou foram abandonados por ela, alguns sofriam de doenças mentais, outros perderam tudo o que tinham, outros se sentiam mais livres assim. O fato é que a maioria está abandonada à própria sorte.

O blog integra ainda o Projeto Imagens Urbanas, que é um projeto de participação social através do fotojornalismo, realizado a principio por Severino Silva, Wania Corredo, Domingos Peixoto, Wilton Junior e Guillermo Planel.

Entrem lá, e divulguem: http://www.fotosereencontros.blogspot.com

29 - agosto - 2009 at 18:53 Deixe um comentário

‘No limite’ está de volta

Monique Cardoso

Vou dar uma editada no release que recebi da Globo tá? Lembram daquele primeiro reality show da TV aberta brasileira? Está de volta!!!! Os 19 participantes da nova edição de No limite já estão confinados. Sob o comando de Zeca Camargo enfrentarão os desafios da natureza e a convivência com concorrentes que farão de tudo para eliminá-los nesta quarta edição. Os condidatos que concorrem ao prêmio de R$ 500 mil – metade do valor pago ao BBB vencedor, que não precisa fazer nada, só ficar relaxando numa casa maneira – foram divididos em duas equipes: Tribo Manibu e Tribo Taíba.

Mais um participante será escolhido, o 20º. Os dois melhores classificados na prova exibida no último Fantástico estão concorrendo a vaga final. Entra quem conquistar a preferência do público. A atração tem estreia prevista para o dia 30 de julho e será exibida ao vivo às quintas-feiras, depois de A Grande Família, e aos domingos, logo após o Fantástico.

Na tribo Manibu, que usará a cor laranja, estão Eneida, 33 anos, corretora de imóveis do Pará; Bia, 24 anos, turismóloga do Rio de Janeiro; João Guilherme, 23 anos, publicitário do Rio de Janeiro; Rafão, 28 anos, comerciário de Minas Gerais; Luiz, 35 anos, empresário do Rio de Janeiro; Marcelo, 30 anos, domador de cavalos do Rio Grande do Sul; Felipe, 27 anos, professor de Educação Física de São Paulo; Julia, 26 anos, empresária de Santa Catarina; Jessica, 25 anos, aeromoça de São Paulo; e Luciana, 38 anos, bombeira de Goiânia.

Os integrantes da tribo Taíba, que usarão a cor azul, são Alexandre, 29 anos, feirante do Rio de Janeiro; Osmar, 31 anos, enfermeiro de Santa Catarina; Sandy, 29 anos, advogada do Rio de Janeiro; Gilson, 36 anos, bombeiro do Rio Grande do Sul; Ronaldo, 54 anos, empresário de Minas Gerais; Denise, 27 anos, instrumentadora do Rio Grande do Sul; Índia, 30 anos, lutadora da Bahia; Sibele, 24 anos, relações públicas de São Paulo; e Gabriela, 28 anos, psicóloga de Minas Gerais.

Vamos lembrar detalhes do primeiro, o único do qual alguém lembra alguma coisa. A final foi disputada só entre mulheres, que mostraram ser mais resistentes que os homens: Andrea, Pipa, Elaine e Juliana. Andrea se achava a gostosa. Pipa era gordinha, acabou magra e bronzeada de tanto passar fome e ficar no sol. Mas ficou em segundo. A cabeleireira Eliane, que saiu ainda gordinha e vermelha como um pimentão, levou o prêmio. Ai, ai. Vai ser mais um daqueles programas em que o público vai acompanhar por blogs, sites, telefone, chamadas durante a programação, etc. Prepare-se, você precisa estar por dentro para ter assunto no bar.

24 - julho - 2009 at 20:54 Deixe um comentário

Boneca inflável para cachorro!!!

Monique Cardoso

A sacanagem e a perversão não têm limites minha gente!!! Até um inocente poodle pode esconder um devasso debaixo daquele pelinho encaracolado e branquinho. Vai ser lançada na semana que vem, em São Paulo, na Feira Pet South America, a primeira sexy doll para cães, ou seja, uma boneca inflável para os au-aus praticarem sexo.

doguinho

A argumentação do fabricante, PetSmiling (eita nome sugestivo) começa convincente: ” A maioria dos cães não castrados vive atrás de alguma coisa para ter relações sexuais. Eles tentam cruzar com almofadas, bichos de pelúcia, pernas alheias e até mesmo com outros animais”.

Para acabar o sofrimento dos bichinhos, lançaram a DoggieLoverDoll, uma “cadela fabricada em borracha macia com canal vaginal de silicone e um reservatório de fácil higienização. O produto acompanha também um tubo de lubrificante íntimo, à base de água, para aumentar a vida útil do produto”.

O binquedinho erótico serve para raças de todos os portes. Ela vem em tamanho P, M, e G. E o criador de tão útil invenção, o empresário Marco Giroto, justifica o lançamento, diz o texto de divulgação. “Tive a idéia de fabricar a boneca quando meu maltês começou a querer pegar a perna de todo mundo. Fui pesquisar sobre o produto para comprar e não encontrei em lugar nenhum do mundo. Resolvi fabricá-lo!”.

hotdoll2

A novidade já está sendo comercializada para vários países, inclusive, dos Estados Unidos, Alemanha e Japão. Durante a fase de testes do produto, com alguns cães – sim, ainda não acabou – inclusive com o maltês Flock (responsável pelo surgimento da idéia), os animais mostraram uma melhor qualidade de vida que foi medida pela diminuição da ansiedade, menos latidos, menos demarcações de território. Ou seja, os cães vivem melhor, pois colocam para fora toda sua sexualidade reprimida, durante anos, em alguns casos.

O fabricante grante ejaculação garantida. Mas não espere uma ninhada. Há mais argumentos: “Os humanos possuem as mãos para praticarem a masturbação, agora os animais domésticos, que têm pouco ou nenhum contato com fêmeas no cio, agora podem se aliviar com o brinquedo desenhado especialmente para eles. Os cães possuem um grande apetite sexual e essa novidade, com certeza, irá melhorar a vida deles”.

O lançamento oficial é no da 22 de julho, no site http://www.doggieloverdoll.com.

15 - julho - 2009 at 22:09 15 comentários

Vamos ao debate!

convite_amplitudecultural

8 - julho - 2009 at 14:57 Deixe um comentário

Mais polêmica sobre jornalismo

Monique Cardoso

Acabo de receber este release de imprensa no meu e-mail de trabalho. Abro para debate. O programa já foi gravado e, de seu conteúdo, a assessoria de imprensa nos antecipa o que vem. A ver.

O jornalismo é uma forma de vulgarização e a literatura está totalmente contaminada por ele, diz Manuel da Costa Pinto”

O escritor e crítico literário participa do programa “Provocações” desta sexta-feira, 10, às 22h10, na TV Cultura

A opinião pública é um incômodo para os escritores. A frase, dita pelo ensaísta e crítico literário Manuel da Costa Pinto ao apresentador Antonio Abujamra, dá o tom do Provocações desta sexta-feira (10/7), às 22h10, na TV Cultura.

Embora acredite que o jornalista seja um profissional ético, Manuel da Costa Pinto – que também é colunista da Folha de S. Paulo e diretor dos programas Entrelinhas e Letra Livre, do qual ainda é apresentador – afirma que o jornalismo é uma forma de vulgarização e a literatura está totalmente contaminada por ele.

Durante o programa, Manoel e Abujamra conversam sobre importantes autores da literatura mundial, como Balzac, Sthendal, Dostoievski, Shakespeare, Blasie Pascal e Camus. O convidado ainda afirma que entre a poesia e a ficção, prefere o ensaio; e que a literatura é, sem dúvida, uma atividade solitária.

Classificação indicativa: 16 anos.

7 - julho - 2009 at 13:21 1 comentário

O que é urgente?

Monique Cardoso

Desci do ônibus na Campos da Paz, como manda a rotina. Passei no banco, puxei um extrato. Meu Deus, não vai dar para chegar ao fim do mês. De novo. Ainda mais se o salário atrasar. De novo. Conferi e reconferi (essa palavra existe?) cada item entre o dia 1º e o dia de hoje, e já estava no meio da Praça Condessa Paulo de Frontin quando ouvi aquele barulho. Que infelizmente já ouvi algumas vezes. Primeiro é uma freada brusca. Depois uma porrada seca e, se estiver atento, dá para ouvir o corpo batendo no chão. Uma pessoa foi atropelada às quinze para as dez ao cruzar a movimentada Avenida Paulo de Frontin, debaixo do elevado. Cruzou a pista fora do sinal de trânsito. Mas eu não vi pois estava de cabeça baixa conferindo onde foi que gastei demais para que meu dinheiro não dê sequer para eu comer até o próximo soldo chegar.

Juntou gente em volta, muitos tentam ajudar, outros estão apenas curiosos. Fiquei parada pensando se iria lá ver, se tirava o celular último tipo da bolsa (estou reclamando de falta de dinheiro mas o celular foi enviado pela operadora de telefone celular, não paguei diretamente por ele) e chamar os bombeiros. Depois pensei que alguém já devia ter feito isso, afinal, é a primeira coisa que as pessoas fazem diante de acidentes na rua. Bem, considerei o fato consumado, nada poderia fazer, resolvi voltar minha atenção para a rua que eu teria de atravessar para chegar ao trabalho. Ficava virando o pescoço para ver se via alguma coisa. Quando o sinal finalmente fechou, passei ao outro lado da calçada, onde havia mais pessoas esperando, olhando o desdobramento da cena do atropelamento. Havia um grupo de mulheres, que não conseguiam chegar ao consenso se deveriam seguir as suas vidas, ou cruzar mais uma rua e chegar ao ponto onde estava a pessoa atropelada. Uma delas, arrastando a filha pelo braço, achou melhor deixar as amigas de lado e tomou sozinha a decisão: “Eu vou lá ver”. E foi.

Havia se passado menos de um minuto depois que eu ouvi o barulho – a freada, depois a porrada seca, depois a queda – quando pude distinguir, mais perto, a sirene. Um rapaz – bem pobre, vestido roupas sujas, com uma aparência daquelas que nós, pequenos burgueses sem dinheiro para pagar as contas achamos suspeitíssimas em outras circustâncias – apareceu correndo, agitando frenéticamente o braço direito como um guarda de trânsito, que ele obviamente não era, para tentar abrir passagem para a ambulância do Samu. Acho que de toda a cena indiretamente presenciada, que começou com a freada, depois o baque e em seguida a queda, a única coisa que realmente me espantou, me causou impacto, foi testemulhar a ambulância chegar tão rápido.

27 - maio - 2009 at 11:48 4 comentários

Posts antigos


Feeds

Enquete

O que já contamos

Contador

  • 123,796 acessos

Mais caroço

Agenda

novembro 2017
S T Q Q S S D
« fev    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930